onsdag, januar 11

Chegar ao fim dele podia ser encontrar um começo do mar

«Chegar ao fim dele podia ser encontrar um começo do mar.
Mas fiquei entregue à violência dos passos intactos. A pureza do medo e a noite baloiçavam.Os barcos, de cores sexuais amordaçadas pelo escuro, dão-me vertigens.Chegou um, então, e o portão de pedra tremeu,sexual também.Doía.Os barcos vivos eram os mortos da morte. Há sempre um outro cais ausente. Se eu agora me voltar e for para meu dia de vida, como me consolarei da espera inútil?Todas as noites, todas, terei tempo para lá voltar, à mesma hora, esperando por mim, de pé e assustada?»

Luiza Neto Jorge, Poemas, Assírio e Alvim, página que o caderno não anotou

1 Comments:

Blogger rui apalavrou que ...

é na página 34 (antepenúltimo parágrafo dum poema chamado "SUBITAMENTE VAMOS PELA RUA")

onsdag, januar 11, 2006 11:40:00 p.m.  

Legg inn en kommentar

<< Home

No Celeiro