søndag, juni 5

1 de 1

finalmente acabei comigo, com a mania de pensar bonito.
conheço a alegria de me sentar para não esperar nada. abro o livro, fecho o livro e o mundo continua no mesmo lugar, eu com os pés em cima dele, ele a olhar para mim, os dois a ver quem desiste primeiro e bate com a porta.
a primeira evidência é que os meus olhos não inventam nada, está tudo do lado de fora. se os fecho fico vazia e perfeita e não sei como é pensar bonito. finalmente.

5 Comments:

Anonymous Anonym apalavrou que ...

Meu amor que por lá anda
Lá colhendo a vindima
Olha, amor, esta prenda
Qu’ eu trouxe à menina

Olha amor esta prenda
Qu’ eu trouxe pelo caminho
Quero que te surpreenda
E te envolva de carinho

mandag, juni 06, 2005 5:00:00 a.m.  
Anonymous Anonym apalavrou que ...

patético
recolhidos dos empoeirados arquivos das torneiras,dedicados a r.,sempre,que foi quem mais os amou:


patéticoI
sabes? gosto de ver esta estrela que tens aqui no ombro esquerdo.
miguel , não digas disparates...
está bem , eu não digo .mas amavas-me sem disparates?
não.então tenho de continuar a dizer,para me amares.
miguel , amavas-me se eu não tivesse uma estrela no ombro esquerdo?
não .


patéticoII


tens lume?
não ,mas tenho uma alma , queres?
a tua alma dá para acender este cigarro?
dá...


patético III
abre os olhos , ou cais ...
mas eu quero é cair ...
se caires , dói ...
se eu cair adormeço deitada nas folhas...
e se eu te soprar até ao chão ?


patético IV
por que não olhas para o céu?
porque tenho medo de não acreditar mais em anjos .


patético V
fecha a porta .
já fechei .
agora dá -me um abraço que me arranque da terra.não te demores.

patético VI
fecha-me os olhos .
assim?
mais ...assim? ainda não ...
mas é impossível fechar mais ...
o que vês?
vejo a memória do mundo .



patético VI
se eu voasse eras céu?
ou estrela.
se eu nascesse eras ventre?
ou terra .
se eu fosse palavra eras boca?
ou poema .


patético VII
está tanto silêncio no mundo , hoje.
ouves a música?
não.ouço a tua pele.
há tão pouco luz ,nesta manhã...
vês o mar?
não.vejo a tua boca .


patético VIII
se te der este papel fazes um desenho ?
se te der o mundo , foges comigo?

patético IX
onde está a lua?
a prender -te os cabelos ...
bebe-a devagar ...e beija-me de seguida.


patético X
empresta-me a tesoura.
para quê?
quero recortar teu coração .
para quê?
para o costurar no meu .

patético XI
quem está aí?
a tua sombra...
queres entrar ?
não , quero levar -te comigo .


patético XII
donde vens?
do corpo de uma mulher.
estás só?
estou.
queres um ventre para nascer?


patético XIV
ele:porque desceste da árvore aquela noite?
ela:porque queria morrer na terra contigo .


patético XV
se te pedir um beijo , dás?
se eu não tivesse nascido ,encontravas-me?


patético XVI
podes ensinar-me a música?
qual ?
aquela que faz dançar a faca do coração .

patético XVII
estás perto de mim?
estou ...
prova-me.
se fechares a mão eu caio dentro de ti .
patético
recolhidos dos empoeirados arquivos das torneiras,dedicados a r.,sempre,que foi quem mais os amou:


patéticoI
sabes? gosto de ver esta estrela que tens aqui no ombro esquerdo.
miguel , não digas disparates...
está bem , eu não digo .mas amavas-me sem disparates?
não.então tenho de continuar a dizer,para me amares.
miguel , amavas-me se eu não tivesse uma estrela no ombro esquerdo?
não .


patéticoII


tens lume?
não ,mas tenho uma alma , queres?
a tua alma dá para acender este cigarro?
dá...


patético III
abre os olhos , ou cais ...
mas eu quero é cair ...
se caires , dói ...
se eu cair adormeço deitada nas folhas...
e se eu te soprar até ao chão ?


patético IV
por que não olhas para o céu?
porque tenho medo de não acreditar mais em anjos .


patético V
fecha a porta .
já fechei .
agora dá -me um abraço que me arranque da terra.não te demores.

patético VI
fecha-me os olhos .
assim?
mais ...assim? ainda não ...
mas é impossível fechar mais ...
o que vês?
vejo a memória do mundo .



patético VI
se eu voasse eras céu?
ou estrela.
se eu nascesse eras ventre?
ou terra .
se eu fosse palavra eras boca?
ou poema .


patético VII
está tanto silêncio no mundo , hoje.
ouves a música?
não.ouço a tua pele.
há tão pouco luz ,nesta manhã...
vês o mar?
não.vejo a tua boca .


patético VIII
se te der este papel fazes um desenho ?
se te der o mundo , foges comigo?

patético IX
onde está a lua?
a prender -te os cabelos ...
bebe-a devagar ...e beija-me de seguida.


patético X
empresta-me a tesoura.
para quê?
quero recortar teu coração .
para quê?
para o costurar no meu .

patético XI
quem está aí?
a tua sombra...
queres entrar ?
não , quero levar -te comigo .


patético XII
donde vens?
do corpo de uma mulher.
estás só?
estou.
queres um ventre para nascer?


patético XIV
ele:porque desceste da árvore aquela noite?
ela:porque queria morrer na terra contigo .


patético XV
se te pedir um beijo , dás?
se eu não tivesse nascido ,encontravas-me?


patético XVI
podes ensinar-me a música?
qual ?
aquela que faz dançar a faca do coração .

patético XVII
estás perto de mim?
estou ...
prova-me.
se fechares a mão eu caio dentro de ti .
patético
recolhidos dos empoeirados arquivos das torneiras,dedicados a r.,sempre,que foi quem mais os amou:


patéticoI
sabes? gosto de ver esta estrela que tens aqui no ombro esquerdo.
miguel , não digas disparates...
está bem , eu não digo .mas amavas-me sem disparates?
não.então tenho de continuar a dizer,para me amares.
miguel , amavas-me se eu não tivesse uma estrela no ombro esquerdo?
não .


patéticoII


tens lume?
não ,mas tenho uma alma , queres?
a tua alma dá para acender este cigarro?
dá...


patético III
abre os olhos , ou cais ...
mas eu quero é cair ...
se caires , dói ...
se eu cair adormeço deitada nas folhas...
e se eu te soprar até ao chão ?


patético IV
por que não olhas para o céu?
porque tenho medo de não acreditar mais em anjos .


patético V
fecha a porta .
já fechei .
agora dá -me um abraço que me arranque da terra.não te demores.

patético VI
fecha-me os olhos .
assim?
mais ...assim? ainda não ...
mas é impossível fechar mais ...
o que vês?
vejo a memória do mundo .



patético VI
se eu voasse eras céu?
ou estrela.
se eu nascesse eras ventre?
ou terra .
se eu fosse palavra eras boca?
ou poema .


patético VII
está tanto silêncio no mundo , hoje.
ouves a música?
não.ouço a tua pele.
há tão pouco luz ,nesta manhã...
vês o mar?
não.vejo a tua boca .


patético VIII
se te der este papel fazes um desenho ?
se te der o mundo , foges comigo?

patético IX
onde está a lua?
a prender -te os cabelos ...
bebe-a devagar ...e beija-me de seguida.


patético X
empresta-me a tesoura.
para quê?
quero recortar teu coração .
para quê?
para o costurar no meu .

patético XI
quem está aí?
a tua sombra...
queres entrar ?
não , quero levar -te comigo .


patético XII
donde vens?
do corpo de uma mulher.
estás só?
estou.
queres um ventre para nascer?


patético XIV
ele:porque desceste da árvore aquela noite?
ela:porque queria morrer na terra contigo .


patético XV
se te pedir um beijo , dás?
se eu não tivesse nascido ,encontravas-me?


patético XVI
podes ensinar-me a música?
qual ?
aquela que faz dançar a faca do coração .

patético XVII
estás perto de mim?
estou ...
prova-me.
se fechares a mão eu caio dentro de ti .

mandag, juni 06, 2005 5:31:00 a.m.  
Blogger ale apalavrou que ...

quem é este anónimo que me cita e escreve estes versos???

mandag, juni 06, 2005 2:10:00 p.m.  
Blogger Lídia Pereira apalavrou que ...

ena, tu já viraste inspiração para posts anónimos, hehehe. acho que é o título do blog que assusta, dá medo,..a malta aqui na caixinha não quer levar castigo.

olha esse "finalmente" tem prazo de validade, não é? vejo daqui que sim, quando levantares a palavra, ela ficará para trás e chegará outra...hehe

como diz enrique vila matas, se não estou enganada, o discurso é um pássaro. quero aqui os grandes bandos de andorinhas do mar. e não venhas com conversas.

mandag, juni 06, 2005 2:52:00 p.m.  
Blogger ale apalavrou que ...

isso de pássaros tá mais pra manoel de barros. bisous

tirsdag, juni 07, 2005 12:39:00 a.m.  

Legg inn en kommentar

<< Home

No Celeiro