lørdag, mai 7

ó portugal dos pescadores de espinho

ó portugal dos pescadores de espinho
espinho do suicida laranjeira espinho praia
antiga amiga e conhecida de unamuno
a praia dos seus últimos passeios portugueses
angústia atlântica e odor ó dor olor a campo
praia que so' existe quando alguém a veste
coisa que foi somente quando tu mulher a viste


* excerto do poema odeio este tempo detergente, ruy belo ( o perdão pelo truncamento )


( da minha janela avisto os barcos destes pescadores, os mesmos,quase os mesmos. cada dia menos. cada dia menos mulheres de preto que falam alto e têm pernas grossas.
ouço também o sino da capelinha de s.pedro, no bairro piscatório.por causa de capelas assim, pequenas e toscas,cheirando a flores frescas, capelas donde se ouve o mar, sinto-me crente, mesmo que isso seja impossível.
por causa deste cheiro a mar e destas vozes,por causa da nortada sei onde não tenho medo de estar vazia.
ó portugal dos pescadores de espinho, se eu soubesse aqui nascer )

1 Comments:

Blogger filomeno2006 apalavrou que ...

Lusitania Felix

tirsdag, juli 29, 2008 1:27:00 p.m.  

Legg inn en kommentar

<< Home

No Celeiro